Embaixada de Portugal em Cabo Verde

Ministério dos Negócios Estrangeiros

Assinatura de Protocolo de Cooperação para a implementação do “Rastreio de base populacional do Cancro do Colo do Útero em Cabo Verde”

Em Cabo Verde, o cancro do colo do útero é a principal causa de morte por cancro na mulher. O país encontra-se numa fase de transição epidemiológica, com uma ocorrência crescente de doenças não-transmissíveis, e o seu sistema de saúde enfrenta diversos desafios ao nível da adequação do perfil funcional das instituições de saúde a esta nova realidade, com a necessidade crescente de adequação quantitativa e qualitativa dos seus profissionais.

No âmbito da implementação do projeto “Rastreio de base populacional do cancro do colo do útero em Cabo Verde”, a Fundação Calouste Gulbenkian e o Ministério da Saúde de Cabo Verde assinaram na sexta-feira passada, 11 de março, um protocolo de cooperação que faculta o arranque de um projeto piloto durante este ano.

Formar um grupo base de profissionais de saúde cabo-verdianos em competências associadas ao cancro, prestar assistência técnica que inclui apoio à implementação de um sistema de controlo de qualidade em exames citológicos e adquirir equipamentos, são os objetivos deste projeto que prevê ainda a adaptação de metodologias e circuitos de rastreio em três concelhos de Cabo Verde.

Esta adaptação, que está orçada em cerca de 85.000 euros (aprox. 9 mil contos cabo-verdianos), vai abranger inicialmente uma população de 9.000 mulheres e, depois de testada, deverá ser adotada a nível nacional, contribuindo para a redução da mortalidade associada ao cancro do colo do útero, através da melhoria do diagnóstico precoce e do tratamento das lesões.

A Fundação Calouste Gulbenkian é parceira no desenvolvimento de Cabo Verde desde há várias décadas, apoiando de forma ativa o país no reforço das capacidades das instituições e na melhoria das competências dos seus recursos humanos. 

Partilhar:
FacebookTwitterGoogle +E-mail